ONLINE
1








  PICUHY MINHA TERRA 
MUNICÍPIO DE PICUI - PB

Município de PICUÍ-PB: principais características

Prof.Robson Rubenilson Especialista em história do Brasil.

1. histórico

As primeiras penetrações para colonização de Picuí ocorreram entre 1704 e 1706, quando o Presidente da Província da Paraíba, era Fernando Barros Vasconcelos. No dia 26 de dezembro de 1704, Dona Isabel da Câmara, Capitão Antônio de Mendonça Machado, Alferes Pedro de Mendonça Vasconcelos e Antônio Machado, requereram e obtiveram por sesmaria, três léguas de terra (18 km), no riacho chamado PUCUHY. Posteriormente, no início do século XIX, outras famílias que vinham dos estados vizinhos, requereram e obtiveram sesmarias nesta região, onde implantaram propriedades e algumas fazendas de gado, entre elas, Conde D’Ávila, Joaquim José da Costa, Capitão Antônio de Mendonça Machado, Lázaro José Estrela, João Ferreira de Farias, Maximiano José da Costa, Antônio Ferreira de Macedo, Estevão José da Rocha e Vicente Ferreira de Macedo.

      No ano de 1856, o Nordeste brasileiro foi cenário de uma terrível epidemia de cólera-morbo, que matou milhares de pessoas. Portanto, os moradores da região, assustados com a mortandade e liderados pelo Coronel José Ferreira de Macedo, decidiram recorrer ao Mártir São Sebastião e juntos fizeram uma promessa ao santo. Em seguida, após constatarem que não havia mais o surto da doença, começaram a construir a capela de São Sebastião, hoje elevada a matriz de São Sebastião, nosso padroeiro – origem de nossa história.

      Paralelamente a construção da capela, o Coronel construiu a primeira casa do povoado, conhecida como “A Venda Grande”. Por isso, o Coronel José Ferreira de Macedo é considerado o autêntico fundador de Picuí. No dia 03 de setembro de 1857, o Padre Francisco de Holanda Chacon, de Areia, celebrou a primeira missa, e, em volta da capela surgiu o povoado de São Sebastião do Triunfo.

      Em 1874, através da Lei Provincial nº 597, de 26 de novembro, foi criado o Distrito de Paz da Povoação de São Sebastião do Triunfo. Em seguida, o distrito passou a chamar-se apenas de Triunfo. Mas em 1888, quando a povoação foi elevada à categoria de vila pela Lei Provincial nº 876, de 27 de novembro, o nome passou a ser Picuhy.

      O município de Picuí foi criado pelo Decreto nº 323, de 27 de janeiro de 1902, sendo instalado no dia 09 de março, a Lei Estadual nº 212 de 29 de outubro de 1904 mudou a sede do município de Cuité para Picuí.

 

2 perfil do município

       No ano de 1924, em 18 de março, Picuí passou a cidade através da Lei Estadual nº 599. Ao longo do século XX diversos municípios se desmembraram de Picuí, a exemplo de Cuité/Barra de Santa Rosa (1936), Nova Floresta (1959), Pedra Lavrada (1959), Cubatí (1959) Frei Martinho (1961) e Baraúna (1994).

2..1 organização político-administrativa: poder legislativo

A Câmara Municipal de Picuí: “Casa Francisco Eduardo de Macedo”, é composta por 09 (nove) vereadores sendo distribuídos da seguinte forma: 

Mesa Diretora: (04 vereadores)

Presidente: Aldemir Alves de Macedo

Vice-Presidente: Guionaldo Neto Dantas

Primeiro Secretário: Paulo Silva Lira

Segundo Secretário: Salvelina Buriti de Almeida Dantas

Plenário: (05 vereadores)

Cícero Avelino de Azevedo

Francinaldo dos Santos

José Onildo de Negreiros

Moacir Henriques da Costa

Olivânio Dantas Remígio 

Poder judiciário

1. Tribunal Regional Eleitoral

Juiz Mário Lúcio

25ª Zona eleitoral

2. Fórum: “Manoel Pereira do Nascimento”

Sede da comarca; 2ª Entrância

Juiz de Direito: Mário Lúcio

Promotor de Justiça

Defensor Público

3. Cartórios

Cartório do Registro Civil de Pessoas Naturais

Cartório do 1º Ofício

Cartório do 2º Ofício

Cartório de Distribuição

Cartório 1ª Serventia Judicial

Cartório 2ª Serventia Judicial

4. Tribunal Regional do Trabalho

Fórum: Ministro Djací Alves Falcão

Junta de Conciliação e Julgamento de Picuí

2..2 aspectos físicos: a localização 

       O município de Picuí fica localizado na Microrregião do Seridó Oriental Paraibano, o qual faz parte da Mesorregião Geográfica da Borborema. Possui uma área de 734,1km², limitando-se ao NORTE com o estado do Rio Grande do Norte, ao SUL com os municípios de Nova Palmeira, Pedra Lavrada e Baraúna, ao LESTE com os municípios de Cuité e Nova Floresta e ao OESTE com o município de Frei Martinho e novamente com o estado do Rio Grande do Norte. Os limites do município podem ser visualizados na Figura 1.



Outra forma de situar o município com relação ao estado da Paraíba, é através da distância entre a sede do município e a capital, e outros municípios

próximos (Figura 2).

      Com relação às coordenadas geográficas, o município está localizado a uma altitude de 440 m acima do nível do mar, com LATITUDE – S 6º 33’ 19” e LONGITUDE – (W.Gr.) 36º 20’ 56”. 

Relevo e hidrografia

       O município fica localizado nas encostas do Planalto da Borborema. Caracteriza-se por apresentar bastantes ondulações no seu relevo, com serras, morros e picos. Os acidentes geográficos mais expressivos são as Serras de Santa Luzia, Brandões, Barra do Pedro, Corujinha, o Pico da Malacacheta, o morro do Chapéu e as ladeiras das Onças e Pimenteira.

        A bacia hidrográfica do município, corresponde a do rio Piranhas, tendo como sub-bacia, a do Seridó e Rio Picuí,

       Sua bacia hidrográfica é formada pelos rios Picuí e Várzea; pelos riachos Tanques, Limeira, Cachoeira, Panelas, De Conceição, Carrapateira, Quixaba, Provedor, Malhada de Dentro e Damião; pelas lagoas Mato Grosso, Junco, Serrada, Do Canto, Caboclo e Deserto. Os açudes: Várzea Grande, Caraibeira, Cauassú, Cavalo Morto, Carrapato, Casa de Pedra, Raposa, Cabeça do Boi e Malhada Vermelha. A maioria dos açudes é de pequeno porte e não se encontram com sua capacidade total preenchida, por causa da escassez de chuvas. A água dos açudes e poços amazonas, de um modo geral, são de boa qualidade para irrigação e consumo humano, enquanto que as águas de poços artesianos se prestam apenas para o consumo animal doméstico, devido ao alto teor de salinidade encontrado.

 solos

       Os solos predominantes na superfície do município, são em geral, rasos e pedregosos, com baixa capacidade de retenção de umidade. Nestas áreas, a exploração agrícola se concentra basicamente nos aluviões de margens de rios e riachos ou nas várzeas dos açudes. Sob estas condições, desenvolve-se a vegetação da caatinga, do tipo arbustiva-arbórea, destacando-se a jurema, o mandacaru, facheiro, marmeleiro, etc.

No município de Picuí, existem duas condições diferenciadas de solos, nas regiões de Santa Luzia e Serra dos Brandões, com solos agrícolas mais profundos onde se cultiva o sisal, mandioca, cajueiro, pinha, maracujá, etc. E outra região de solos arenosos no Mari-Preto, Lajedo Grande, São Francisco, Canoa da Costa, que são propícios para a exploração das culturas do milho, feijão e a fruticultura.

 clima

        De acordo com a classificação de Kopen, o clima de Picuí, é do tipo semiárido (bsh), quente e seco, com temperatura média de 26º C, variando entre a mínima de 22ºC e máxima de 35º C, com apenas duas estações climáticas bem definidas: o verão e o inverno. A precipitação pluviométrica (chuvas) do município, é em média 500 mm por ano, sendo que a maior possibilidade de ocorrência das chuvas é nos meses de janeiro e maio, caracterizada pela escassez e má distribuição, enquanto que os meses mais secos, são os de outubro a dezembro.

 Vegetação: fauna e flora

      A vegetação nativa predominante no município é a Caatinga, do tipo arbustiva-arbórea, destacando-se a jurema, marmeleiro, mandacaru, xiquexique, facheiro, macambira e árvores de pequeno porte como catingueira, umburana e juazeiro, etc. O reino animal é formado por aves de pequeno porte, destacando-se a rolinha, arribaçã, asa-branca, sabiá, azulão, concriz, gavião, etc. São animais silvestres adaptados às condições desfavoráveis do meio ambiente local, destacando-se o tatu, gato maracajá, tamanduá, mocó, etc.

 2..3 infra-estrutura: estradas e rodagens

       O município é servido por estradas asfaltadas que ligam aos principais centros de comércio do estado da Paraíba e Rio Grande do Norte; as estradas vicinais, com boas condições de tráfego durante todo ano, ligam as comunidades rurais a sede do município.

O município é servido por 320 km de rede rodoviária, através das rodovias BR/104/137, vindo de Barra de Santa Rosa; PB-177, vindo de Nova Palmeira e PB 177, vindo de Frei Martinho e PB 151 vindo de Nova Floresta até a divisa do Estado. Atualmente, 3 empresas de transportes intermunicipais (empresa Guarabirense, São José e Expresso Nacional) e 2 interestaduais (Jardinense e Itapemirim) oferecem seus serviços ao município.

De acordo com informações do Posto de Trânsito de Picuí, o município tem, atualmente, cerca de 832 veículos cadastrados.

 Associativismo

       O município dispõe de 65 associações comunitárias, 03 sindicatos e 22 conselhos.

 urbanização

      A barragem Várzea Grande, localizada acerca de 12 km da sede, abastece o município de Picuí. A capacidade máxima do açude é de 21.500.000 m³. A adutora é formada por 4 filtros tipo russo de ferro fundido com 250 mm de diâmetro.

Na estação de tratamento a água passa por 4 processos:

1) Classificação da água com a utilização de sulfato;

2) Filtração da água;

3) Cloração da água – eliminação das bactérias; e

4) Distribuição da água realizada pelo processo de gravidade.

      Os distritos de Santa Luzia e Serra dos Brandões não tem abastecimento d`água. A CAGEPA, tem 15.452 de extensão de Rede água e atende a 2.868 consumidores, de acordo com o Quadro 1:

CONSUMIDORES Nº

Residencial 2.708

Comercial 70

Industrial 1

Públicas 67

Mista 22

TOTAL 2.868

Fonte: CAGEPA, 2005.

       A distribuição de energia elétrica em Picuí, é feita através da SAELPA. De acordo com dados obtidos no Escritório da SAELPA em Picuí, existem cerca de 5.260 ligações conforme o Quadro 2.

 SITUAÇAO DO DOMICÍLIO Nº

Urbana 4.178

Rural 1.082

TOTAL 5.260

Fonte: SAELPA, 2005.

 Comunicação

       A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT – Mantém 2 (duas) agências no município. As comunicações telefônicas estão a cargo da Telemar que opera com 672 telefones instalados. Em uso têm 514 terminais residências, 86 terminais não residências, 1 tronco e 30 telefones públicos. Existem duas emissoras de rádio: Rádio Cenecista de Picuí, fundada em 5 de janeiro de 1985 – AM – 1.020 KHZ, Serviço de Radiodifusão Comunitária – FM Sisal 87.9, que está no ar desde julho de 2002. Tem os seguintes periódicos:

  • • Jornal Oficial – Semanário do Município de Picuí, criado pela lei nº 958 de dezembro de 1997;
  • • Jornal Oficial – Poder Legislativo Municipal, criado pelo Decreto Legislativo 002/01, de 02 de abril de 2001; e
  • • Boca do Povo – Informativo do Partido dos Trabalhadores.

 Bancos

       Opera uma agência que oferece atendimento bancário em Picuí, o Banco do Brasil, que atende aos municípios de Frei Martinho, Nova Palmeira e Baraúna.

 2..4 Aspectos sociais: Ação Social

       O município conta com 2 creches (Creche Municipal Marta Maria de Medeiros Casado e a Creche Cenecista Tia Zefa). Uma Loja Maçônica, “Pedro Tomaz de Medeiros”, Alcoólicos Anônimos, Picuí Clube e AABB. No município existem 5 igrejas católicas na zona urbana, matriz de São Sebastião; capela Nossa Senhora de Fátima, Igreja da Sagrada Família – Bairro Limeira; Igreja de São José – Bairro de São José; Igreja de São Francisco Bairro Cenecista e 6 na zona rural. O primeiro Templo da Assembléia de Deus foi edificado em 1949, no mesmo local da atual sede da Igreja. Além da sede existem 13 congregações da Assembléia de Deus no município sendo 4 na zona urbana e 9 na zona rural. Há também as seguintes igrejas:

  • • Brasil para Cristo – 1ª Igreja Batista - Igreja do Véu;
  • • Igreja Deus e Amor - Igreja Universal do Reino de Deus;
  • • Testemunhas de Jeová – 1º centro Espírita.

 Turismo

      O município de Picuí, reconhecido como potencialmente turístico, apresenta uma gama de atrativos. Aqui o turista pode encontrar desde as belezas naturais, através da flora típica da região do semi-árido, até uma vasta riqueza cultural. Certamente o carro-chefe do turismo em Picuí é a gastronomia, através da carne-de-sol. O turismo de eventos também é muito significativo. O município conserva em alguns de seus lajedos inscrições rupestres que formam sítios arqueológicos, além de algumas gravuras identificadas isoladamente. Cerca de 11 sítios arqueológicos compõem esse patrimônio cultural e histórico. Podemos destacar o turismo de eventos, de aventura, ecoturismo, cultural, gastronômico, artesanato e habilidades manuais.

        O município de Picuí conserva em alguns de seus lajedos inscrições rupestres que formam Sítios Arqueológicos, além de algumas gravuras identificadas isoladamente. Cerca de 9 Sítios Arqueológicos compõem esse patrimônio cultura e histórico.

No entanto, são poucos os picuienses que conhecem essa riqueza.

  • Vale Encantado – Localizado no sítio Rio do Pedro, a 6 Km da cidade, este sítio arqueológico apresenta inscrições nas paredes do poço, cachoeira em tempos de chuva, que segue o riacho. As gravuras estão distribuídas em 5 painéis. Os painéis estão em bom estado de conservação embora, tenha pichações próximas e sobre algumas gravuras. O “Vale Encantado” pode ser considerado o maior sítio arqueológico do município, em virtude do número de painéis e das formas emblemáticas;
  • Cemitério Indígena – Na Fazenda Malhada de Dentro, mais precisamente na vertente do riacho “Cachoeira do Mulungu”, numa área de aproximadamente 400 m2, existente um cemitério indígena a céu aberto com montículos de quartzo amontoados;
  • Abrigo do Poço – Cinco gravuras, em bom estado de conservação e superfície rochosa lisa, compõem o “Abrigo do Poço” na comunidade Conceição. Esse painel não é profundo e está abrigado por blocos abatidos, num vale de rio;
  • Sítio Pedra do Tubiba – O painel da Pedra do Tubiba no Sítio Volta encontra-se em estado de conservação razoável com desgaste natural e acentuado. Também de superfície lisa, as gravuras bem próximas ao chão, apresentam contornos pintados de vermelho. A maioria dos traços é vertical. Algumas representações são emblemáticas, a exemplo das

Emas, podemos citar também as muitas fileiras de figuras geométricas;

  • Sítio Cachoeira do Saco do Campo – Esse sítio apresenta 3 painéis bem definidos com gravuras e símbolos bem semelhantes aos da Pedra do Ingá. As gravuras são contornadas com pigmentos vermelho e laranja. Além dos 3 painéis existem outros símbolos isolados;
  • Cachoeira das Pinturas – Também conhecido “Riacho das Pinturas” este sítio fica localizado na Fazenda Cacimba das Pedras. Apenas um painel com gravuras pouco profundas e contornadas com pigmento vermelho, forma a Cachoeira das Pinturas. No entanto, podemos encontrar algumas figuras isoladas não contornadas e ainda menos profundas.
  • Sítio Pocinhos – Localizado na comunidade do mesmo nome, o sítio arqueológico “Pocinhos” tem um painel pintado e gravado com figuras de lagarto, por exemplo, além de símbolos geométricos pintados na cor vermelha;
  • Abrigo do Minador – De todos os sítios arqueológicos de Picuí o “Abrigo do Minador” é o único que apresenta painel em estado de conservação ruim. No entanto, as gravuras chegam a 1 m de altura, embora, tenham sulcos pouco profundos. Também em superfície lisas as gravuras são contornadas em vermelho;
  • Lajedo do Letreiro – No Lajedo do Letreiro não há, indícios de pintura, apenas gravuras bem nítidas de figuras antropomorfas e emblemáticas. O Lajedo do Letreiro fica numa borda de riacho na Fazenda Letreiro;

 Portal da Cidade - Praça Temática

Idealizada pelo prefeito Buba, a Praça Temática “José Líbio Dantas”, portal de entrada da cidade de Picuí, é uma construção moderna e exuberante que apresenta as principais características do município de Picuí: o minério explorado na região, como o granito bordô; a fauna, com esculturas de alguns animais; a flora, plantas nativas como os cactos: coroa-de-frade, macambira, xiquexique, mandacaru e palma; e a escultura de um churrasqueiro - “Seu Quenca” - servindo a carne-de-sol, marca de Picuí. Uma curiosidade da Praça são as esculturas dos animais: o bode, o jumento, o cavalo, a cabra, a vaca e o touro, figura onipotente que recepciona o turista.  Esculpidas pelo artista plástico picuiense José Crisólogo, as esculturas foram confeccionadas em fibra de vidro e cimento e apresentam tamanho natural, o que as torna bem reais, chamando a atenção de quem as vê.

filarmônica

      Um dos maiores patrimônios culturais do nosso município é a Filarmônica Coronel Antônio Xavier de Macedo, que, há mais de um século, traz às ruas de Picuí velhos, jovens e crianças, e faz a alegria das festas religiosas e políticas desta cidade.
Além da Filarmônica Municipal, nossa cultura conta, ainda, com picuienses de renome em muitos dos seus setores: José Crisólogo (artista plástico); Antônio Henriques Neto (poeta); Felipe Tiago Gomes (Comendador da Educação Brasileira); Marcos Macedo (músico); o humorista Rossini Macedo, que desponta no cenário nacional com o personagem “Tonho dos Couros”, além de diversos grupos musicais, mais de dez quadrilhas e um grupo de xaxado – “Guerreiros do Sol”. Fundada em 1880, por iniciativa do Cel. José Ferreira de Macedo, e revitalizada pelo líder político Cel. Antonio Xavier, a Banda de Música de Picuí é hoje a terceira banda de música mais antiga do Estado da Paraíba.

      Composta atualmente por 30 músicos, tendo como maestro o Sr. José Carlos da Silva, apresenta um repertório bem diversificado.

 

 
Criar um Site Grátis    |    Crear una Página Web Gratis    |    Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net